ARTIGO

7 DICAS DE EMPREENDEDORISMO PARA UM EMPREENDEDOR INICIANTE

Data de publicação: 28.04.2021

Abrir a própria empresa é sempre um grande desafio tanto para o empreendedor iniciante quanto para quem já atua na área há algum tempo.

Para você que está começando a empreender, é crucial iniciar essa trilha investindo em um bom planejamento estratégico e financeiro. Pois, caso contrário, seu negócio já estará comprometido antes mesmo de estrear no mercado.

De acordo com o Sebrae, a taxa de sobrevivência das empresas com até dois anos é de 58%, com exclusão dos Microempreendedores Individuais (MEIs). No entanto, entre os motivos que justificam esse resultado estão:

- A falta de planejamento e de capacitação;

- Gestão pouco competitiva, sem melhoria nos processos;

- Falta de atualização.

Fica claro que esses são os caminhos para concretizar o sonho de quem deseja empreender. Dessa forma, ainda é preciso ir além.

Adotar boas práticas é essencial para vencer essa jornada incerta e cheia de obstáculos. Por isso, apresentamos 7 dicas de empreendedorismo para você não desistir do seu sonho!

Acerte na escolha do seu segmento de atuação

Dentre os motivos que motivam muitos profissionais a darem esse importante passo, estão: a busca por uma carreira bem-sucedida, a liberdade para tomar as próprias decisões e, claro, a chance de realizar seus sonhos.

Para alcançar esse patamar, é preciso ultrapassar importantes desafios. Logo, um deles é a escolha do segmento certo para investir.

Definir o melhor segmento de atuação é fundamental para aumentar suas chances de sucesso.

A partir do momento em que você o escolhe, o próximo passo é conhecer melhor o mercado. Por isso, a seguir você poderá ver um resumo das expectativas de crescimento e os desafios do food service e supermercado.

O faturamento do food service deve se elevar 4,7% até 2022, alcançando R$527,5 bilhões. Por sua vez, a indústria de alimentos fechou 2018 com aumento de 2,08% no faturamento, e alcance de R$656 bilhões.

O impacto desse setor no Produto Interno Bruto (PIB) é de 9,6%, segundo a Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (ABIA).

Quais são os desafios do empreendedor iniciante?

Ainda que o setor seja sólido e tenha uma demanda alta de maneira constante, existem obstáculos para serem superados. Sendo assim, entre os principais estão:

- Existência de processos informais, que afetam a experiência do cliente. Ou seja, ela deixa de ser única para ser sempre diferente;

- Rotatividade elevada, porque os colabores são integrados e desligados com frequência. Logo, isso implica custos altos com contratação e uma equipe menos experiente;

- Superação das crises econômicas. O aumento do preço dos alimentos, das matérias-primas e de outras despesas — como água, gás e transporte — prejudicam os resultados.

Em relação própria com os supermercados, a projeção foi uma alta de 3% nas vendas no ano de 2019. Em 2018, o crescimento foi de 2,07% — outro dado que comprova a importância do setor, mesmo em períodos de crise econômica.

Alguns desafios do empreendedor iniciante são:

- Lidar com a inadimplência, já que o índice chegou a 62,8% em maio de 2019 e exige um plano financeiro eficiente;

- Trabalhar a solidão e a inexperiência por meio de cursos de capacitação e criação de uma rede de networking;

- Calcular custos implicados para saber quanto precisa ter de capital de giro. Isto é, a quantia que deve reservar para manter o negócio funcionando;

- Tornar sua empresa conhecida no mercado, sendo o principal desafio a fidelização. Ou seja, atrair e reter os clientes para que eles voltem a comprar os produtos no seu supermercado, em vez da concorrência.

Todas essas barreiras são eliminadas com a aplicação de boas práticas. Sendo assim, elas abrangem desde a conduta certa até a gestão eficiente, e passam por diferentes variáveis que ajudam a alcançar o sucesso.

Vamos explicar as principais logo em seguida.

7 dicas de empreendedorismo para um empreendedor iniciante

Conheça agora os 7 passos para concretizar seu sonho e empreender numa carreira de sucesso.

1. Compartilhe a sua ideia

Um erro comum de quem está iniciando sua jornada como dono do próprio negócio é ter receio de contar a ideia para outras pessoas. Mas, qual a razão para isso?

Medo de que alguém possa copiar o seu projeto. Contudo, essa percepção deixa de fazer sentido quando pensamos no networking, ou seja, na rede de contatos importante para o sucesso da empresa.

Quando dividimos nossos pensamentos com outros profissionais, mais ainda com aqueles que já passaram por experiências parecidas, recebemos importantes conselhos que vão economizar nosso tempo e dinheiro.

Às vezes, um olhar de fora pode ser vital para resolver um problema que a princípio parece sem solução.

A conversa com outras pessoas do setor também ajuda em outros aspectos. Ao propósito, você descobre quais são as tendências e modismos, e se elas têm chance de permanecer no mercado.

Esteja atento a tipos de negócios que de início são uma febre mas que já perderam força com o tempo. Esses talvez não sejam as melhores opções para se investir.

Você também consegue descobrir bons fornecedores de matérias-primas, produtos, insumos e equipamentos. Desse modo, você aumenta a qualidade dos alimentos devido aos bons ingredientes e identifica quais softwares são mais indicados para o seu segmento.

2. Conheça e analise empresas do segmento

É importante entender sobre o setor em que começará a atuar e também sobre as demais áreas da empresa, como comercial, financeiro e marketing, por exemplo.

Essa é a maneira mais eficiente de ter uma visão completa do negócio. Portanto, lembre-se de que gerenciar um negócio vai muito além e abrange diferentes áreas.

Para investir no segmento de alimentação, vale a pena conhecer outras empresas da área. Como é um setor com amplas chances de sucesso, você identifica as características de cada negócio.

Para exemplificar, os bares e restaurantes têm ações para entreter o público. As empresas de marmita oferecem uma alimentação mais básica fora do lar. Por sua vez, há empresas que prestam serviços para cobertura de eventos.

Os supermercados, por outro lado, oferecem uma ampla gama de opções. Contudo, se você optar por um negócio similar, mas localizado em um bairro, precisa ter produtos adequados aos moradores da região.

Se eles fazem parte das classes A e B, por exemplo, vale a pena investir em chocolates finos e importados. Caso contrário, pode ficar com o estoque parado, se fizer esse investimento.

3. Valide o seu modelo de negócios

Um dos principais motivos que levam as empresas a fecharem suas portas, é a falta de planejamento.

Cometer erros é normal e faz parte do processo de aprendizado, mas o mais importante é que as falhas sirvam para a maturação do negócio.

No setor de alimentação, a prerrogativa é a mesma. Assim, para aumentar as chances de êxito, é preciso fazer uma boa avaliação do mercado por meio de uma pesquisa.

Identifique quem são os concorrentes, os possíveis fornecedores e os potenciais clientes. Além disso, detalhe informações, como hábitos de consumo, preferências, opções por marcas etc.

Acompanhe os resultados e analise indicadores para, se for preciso, mudar a estratégia sem medo. Sobretudo, se a sua ideia inicial não deu certo, é importante praticar o desapego em relação à sua concepção.

Um problema comum para o empreendedor iniciante que aposta no segmento alimentício são os custos operacionais.

Segundo o Sebrae, as despesas com funcionários ficam no primeiro lugar. Em seguida, vem o aluguel, as contas de água, luz e telefone, os custos com encargos sociais e os financiamentos.

A mesma pesquisa indicou que 84% dos empresários fazem algum tipo de controle da gestão. Contudo, apenas 23% usam a tecnologia para isso.

Para mudar esse cenário, invista em um bom plano de negócio. De fato, esse documento guia as próximas ações, de acordo com o planejamento estratégico.

Assim sendo, você visualiza a aceitação do negócio e tem mais chances de sucesso.

Além disso, é um item essencial para buscar empréstimos e financiamentos corporativos, que têm taxas mais baixas.

Nesse ponto, além de definir as estratégias, também é importante estabelecer metas e objetivos. Por isso, olhe para o futuro e determine com clareza onde você pretende chegar.

Daí para a frente, mantenha sempre o foco em seus propósitos.

4. Um empreendedor iniciante organiza a sua vida financeira

Uma realidade bastante comum na vida de um empreendedor iniciante é manter as finanças do negócio em completa desordem.

Seja por sua ausência de conhecimento, seja pela falta de experiência. Para resolver essa situação, o primeiro passo é organizar o fluxo de caixa.

Com ferramentas simples, como as tradicionais planilhas é possível tanto controlar a movimentação de entrada e saída de produtos, quanto realizar previsões futuras. No entanto, o ideal é usar softwares de gestão específicos para o segmento alimentício.

Como estão adaptados ao segmento, apresentam importantes recursos para o controle financeiro, informando os valores que devem entrar no caixa e as datas de vencimento dos boletos.

Mais que isso, você monitora os indicadores e verifica se os objetivos traçados estão sendo atingidos.

Por exemplo, você pode determinar que deseja aumentar o faturamento em 10% nos próximos três meses. Para isso, fará uma divulgação maior do seu supermercado nas redes sociais, com a ajuda de links patrocinados.

Com o software de gestão, é possível verificar se a ação surte efeitos positivos ou se é melhor corrigi-la para ser mais bem orientada. Assim, além de ter total controle da situação monetária de seu negócio, você ainda pode planejar seu crescimento de forma segura e precisa.

5. Estude o mercado de atuação

O estudo do mercado é outro elemento essencial para quem está abrindo o próprio negócio. Quanto mais o empreendedor iniciante conhecer a concorrência e a área de atuação, maiores serão as chances de sucesso.

Ao analisar o mercado, você terá muito mais segurança e confiança para definir suas estratégias. Além disso, pesquisas de quantidade e qualidade vão ajudar a identificar seu público-alvo e, ainda, determinar as melhores técnicas para vender seu produto ou serviço.

Além do mercado, é importante ponderar a atual situação econômica do país antes de inaugurar sua empresa. Se a análise indiciar que este não é o melhor momento, talvez você deva esperar um pouco para realizar o seu sonho.

Para fazer isso, analise os dados, como os que já apresentamos neste post.

Por meio de notícias na internet, você ainda descobre que o food service movimentou R$205 bilhões em 2018 e que 73% do mercado é representado por restaurantes que não fazem parte de redes.

Também verifica que o ticket médio é de aproximadamente R$14 e que o tráfego cresceu 1%.

6. Precifique de maneira correta

Os casos de empresários que vendem muito, mas que estão sempre com o caixa no vermelho, são comuns.

Desse modo, empreendedores iniciantes podem cometer erros no momento de definir a margem de lucro ou fixar os valores dos produtos ou serviços. Isto é comum acontecer em razão de cálculos equivocados.

É preciso encontrar técnicas corretas para definir itens importantes do negócio, como precificar os produtos ou estabelecer uma margem de lucro equilibrada. Se você tiver dificuldades nesse processo, procure o auxílio de um especialista em finanças.

Os softwares de gestão mais completos também auxiliam nesse processo, pois são programados para conferir precificação automática de mercadorias.

A saber, é o caso dos sistemas voltados para pontos de vendas do ramo alimentício, como supermercados, mercadinhos, frigoríficos, padarias e lojas de conveniência.

Além de tornarem os processos da frente de loja automáticos e facilitarem o controle do estoque, ainda trazem mais precisão aos setores administrativo e financeiro. Com efeito, o resultado é a tomada de decisão acertada a partir de informações seguras.

Você identifica, por exemplo, quais produtos têm mais ou menos giro e pode até usar a curva ABC para gerenciar o estoque de maneira eficiente.

Lembre-se de que, aqui, vale a pena focar a capacitação. Por isso, busque os principais livros para empreendedores, a fim de conhecer mais sobre como precificar, margem de lucro e outras informações importantes para definir o valor correto dos produtos.

7. Crie valor aos seus produtos

Uma empresa somente se destaca da concorrência se apresentar algum diferencial. Caso contrário, ela será apenas mais uma opção disponível entre tantas outras que já existem.

Lembre-se que apresentar soluções inovadoras possibilita que sua marca fique bem colocada no mercado.

Outra forma de atingir esse objetivo é criando valor aos seus produtos e serviços. Mas, como?

Por meio da responsabilidade social. O conceito está relacionado ao ato voluntário de organizações que se preocupam com o bem-estar do público interno ou externo.

As empresas que adotam ações e posturas com o propósito de contribuir para uma sociedade melhor de fato serão mais valorizadas diante das outras que não se posicionam da mesma forma.

É o caso de adotar um sistema de reciclagem no seu supermercado ou adotar uma iniciativa lixo zero no seu restaurante.

Por isso, procure dar a sua contribuição para a sustentabilidade do planeta ou se envolver com ações no âmbito da saúde, cultura, educação ou moradia. Sem dúvidas, essa conduta de consciência social criará valor à sua marca.

Desenvolver uma postura consciente e responsável é uma estratégia segura e eficiente para administrar seu negócio. Além disso, garante a realização de seus sonhos e a conquista de todos os seus objetivos.

Conclusão

Mesmo que o início da jornada não seja fácil, não desista: o caminho pode ser longo, mas no final de tudo, todo o esforço terá valido a pena.

Fonte: https://bit.ly/3aMgoiS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *